Tag Archives: robbin gibb

Sobre Robbin Gibb, gerações e falta de ídolos.

20 maio

Hoje faleceu Robbin Gibb, um dos três cantores que juntos, no Bee Gees, eram um dos poucos ídolos do meu pai. Confesso que sempre reclamava quanto tinha que ouvi-los. Ver meu pai tirando meu DVD do aparelho e colocando o dele me causava certa revolta! (Rsrsrs) Mas o que eu não posso negar, é que aquele momento, aquelas musicas, ah, quantos momentos eles já me proporcionaram. Historias dos tempos de juventude dos meus pais… Coisas do tipo “…íamos a um bailinho, de calça boca de sino e cigarro na mão, e o cara se achava o máximo daquele jeito…”. Ou então, a cara que ele fazia quando olhava para as imagens na TV. Ele realmente admira aqueles três caras, e admira de um jeito diferente, nas palavras dele, ” os melhores músicos que eu já vi, e os que eu mais gosto”.

A partir do momento que eu soube do falecimento dele, comecei a pensar (e repensar) sobre tudo isso. Cara, as pessoas estão morrendo. Cara, nossos ídolos estão morrendo. Pensei em mim, e em todos dessa tão minha, e tão comentada, geração. Pegamos ( SE pegamos) o fim de tudo que era bom. Mas… Analisando friamente. Eu costumo brincar com essa situação, mas no alto dos meus quase 20 anos, meus ídolos já passaram da casa dos 40, salvo alguns que estão nos 30. Quem são os ídolos da nossa geração? São os ídolos do fim da geração passada. A intenção não é discutir quem foi melhor, Guns N’ Roses ou Nirvana, até porque o Axl (acredite) ainda parece vivo, Kurt teve uma morte precoce, e eu nasci depois de 1990.

Penso nessa galera que está ainda no colégio. Que pelo que contam os “especialistas”, fumam menos, mas bebem mais. Que dominam a internet, mas não leem. Essa galera que às vezes se parecem conosco. Como as coisas vão ser a partir de agora? Quem era “alguém” para nós é simplesmente… Ignorado. Falo como muito mais velha, pois é como me sinto. Estamos em um período de carência de ídolos. Na musica, no futebol, na política. É desesperador ver uma criança de dez anos achar bacana o exemplo do bandido que é preso na TV – porque talvez ele seja vendido como um cara esperto que consegue o que quer. E mudar esse conceito vai além do que fazer o vilão se dar mal no fim da novela.

Eles, e todos nós, precisamos de heróis. De caras que motivem a fazer algo de diferente, de melhor. Sid Vicius, um roqueiro maluco e viciado em drogas semeou o rock n’ roll em diversas mentes, fazendo seu gênero crescer. Precisamos de impulsos, por mais tortos que eles sejam. Precisamos de alguém que faça nossos olhinhos brilharem ao assistir um DVD numa tarde de domingo com nossos filhos.

Como homenagem a Robbin Gibb, deixo aqui uma das musicas que mais gosto. Eu, que após tanto tempo, me descobri uma fã. Peço que ao assistir, preste atenção na letra, que fala, essencialmente, de mudança.