Só por hoje.

17 set

– Uma dose daquele tinto. Do mais vagabundo, por favor – Eu pedi.

Ele seguiu minha ‘ordem’, como todo bom garçom que se preze. Enquanto me servia o vinho, me viu, em um lampejo, mudar de ideia.

– Me traz uma dose de Jack. Isso, sem cara de susto. Uma dose bem servida de Jack Daniels, com duas pedras de gelo. Melhor, sem gelo algum. Uma dose pura.

jack-danielsE ele o fez, assim como da primeira vez. Peguei o copo, e tomei toda a minha primeira dose de uma vez só. A essa hora, tudo se confundia no meu rosto, pálido. Nele, apenas a cor do malte escocês diferenciava as lágrimas do que eu tinha deixado escapar do gole. Talvez fosse até possível confundi-los.

Eu queria – e precisava, mais do que qualquer coisa, que aquilo, aquela dor, fosse embora. E só as últimas gotas do uísque que sobraram dentro do copo presenciavam tamanha inquietação, resultado de uma relação intermitente que chegou ao fim. E era só o que restava, naquele momento.

O vazio. Aquele vazio em particular, o vazio do banco ao lado. O vazio que você deixou. Talvez mais doses preenchessem a minha madrugada melhor que os seus suspiros. Talvez a disponibilidade do garçom em me atender me fizesse lembrar justamente o contrário, como a falta de tempo que tínhamos.

Mais um, dois, três copos e cigarros. Ainda choro. Sei que nada vai mudar. Ou talvez sim, quem sabe. ‘O futuro a Deus pertence’, você dizia, enquanto afagava o meu cabelo, em um dos nossos domingos.

Pedi tanto para que não se apaixonasse, e quem caiu na sua armadilha fui eu. Implorei. Em uma das brigas me dei conta. Queria mais. Queria saber o que significávamos. Hoje, passado tanto tempo, bebo uísques sozinha em um bar qualquer da Avenida Paulista. Ainda faz frio em São Paulo. Mas dessa vez quem me fita com olhos de incompreensão é o pobre garçom.

bar-cigarro

– Moça… Desculpa… Mas vamos – seu olhar de súplica me dizia ‘precisamos’ – lavar o bar. A senhora vai ficar… Hum… Aí?

Eu permaneci inerte.

– Vocês não fecham nunca, posso ficar? Preciso ficar.

Ele consentiu, e despejou o balde d’água no chão, sem disfarçar sua desconfiança. Eu e o bar. Eu, o bar e alguns garçons. Quatro horas da manhã de uma madrugada de quinta. Céus! Que diabos eu estou fazendo aqui enquanto a vida corre lá fora? Solucei. Pela última vez.

Chega. Bebi meu último gole quando já havia perdido as contas dos copos. Se a intenção era ‘beber o defunto’, como meus avós faziam no interior quando alguém morria de verdade, eu já tinha bebido o cemitério inteiro. E o meu defunto estava vivo, dormindo em uma cama estranha em algum lugar dessa cidade.

Peguei minha bolsa e levantei do balcão. ‘Amanhã eu passo para acertar’, avisei. Era a hora do basta, do ponto final. Saí do bar e caí no mundo. Eu simplesmente não podia sentar e observar a vida passar.

Vou me tratar. Assim como se faz com toda dependência sabe? Vivendo um dia de cada vez. Podendo dizer ‘só por hoje’. Só por hoje eu não pensei em você.

Anúncios

3 Respostas to “Só por hoje.”

  1. Murilo Rettozi setembro 18, 2013 às 1:17 pm #

    Leiam ao som de The last time i saw Richard de Joni Mitchell. Unha e carne!

  2. AzulCordeBlues setembro 17, 2013 às 11:21 pm #

    A coragem e a dor do parto estão intrínsecas nessa coisa chamada vida!

  3. Juliane Freitas setembro 17, 2013 às 11:01 pm #

    putz, arrasou muito.

Dê sua opinião

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: